Professora é agredida em escola municipal

0

Na última sexta-feira, dia 25 de agosto, um relato de agressão ocorreu dentro do Instituto Municipal de Educação Professora Augusta Maria de Lima Marques. Por volta das 14h, a mãe e a avó de um aluno da escola, foram até o local de trabalho e agrediram física e verbalmente uma professora, fazendo com que outras professoras tivessem que intervir. Segundo a diretora da escola Janice Marques, a mãe já havia estado na escola outras três vezes para reclamar, mas desta vez não houve diálogo. Elas entraram e foram direto a secretaria, revirando a sala e jogando objetos no chão, a avó deu um tapa no rosto da professora e a mãe jogou um grampeador que acabou atingiu a cabeça da professora.

A diretora afirma que é a primeira vez que um fato assim ocorre na escola. “Não houve mediação, elas vieram com a intenção de agredir, ameaçando física a verbalmente, só se acalmaram quando chegou a Brigada Militar”. O vice-diretor Marco Antonio Marques estava presente no momento e ajudou a conter as agressões até que a Brigada Militar chegasse. Ele conta que a mãe prometeu pegar a professora fora da escola, fazendo ameaças de morte. “A violência está em toda a parte, é lamentável que isso ocorra dentro do ambiente escolar, o professor estuda anos para poder dar aula, e chega alguém e bate na cara de uma professora”.

De acordo com a direção da Escola, a mãe e avó do aluno também fizeram várias ameaças contra os servidores que tentaram controlá-las, mas sem sucesso. “Enquanto partia para cima da professora, uma delas chegou a pedir para a outra ir até a cozinha apanhar uma faca, pois ela queria degolar a professora e beber o sangue”, relata uma das testemunhas da agressão.

Muitas ofensas e palavras de baixo calão teriam sido ditas no momento das agressões, o motivo teria sido um trabalho de dia dos pais, em que foi solicitado que cada criança levasse R$10. “Foi uma semana de muitas chuvas em que houve feriado prolongado, na quarta-feira quando retornaram as aulas a professora entregou os trabalhos, dias depois a mãe mandou um bilhete dizendo que o trabalho de seu filho não retornou, a professora procurou novamente o trabalho pela escola e até contatou o transporte escolar, ao não localizar o trabalho da criança, ela devolveu o dinheiro de seu próprio bolso”, relata a diretora.

A criança já não estuda mais no Instituto, na sexta-feira mesmo foi assinada na frente da Brigada Militar a documentação para a transferência. “Sentimos uma desvalorização no ato de ser professor, isso abalou muito a escola, os professores estão sentidos. É cobrado que a escola se envolva com a sociedade, mas temos que ter o suporte, pelo menos a segurança”, afirma Janice.

A escola foi até o jurídico da Prefeitura buscar orientações, o processo será encaminhado dentro dos tramites legais. Foi registrado um termo circunstanciado, em que as duas partes avó e mãe, com as iniciais R.M.S.T e A.T.S, serão acusadas. A documentação será inserida no sistema e enviada para o judiciário a fim de ser marcada a audiência. Em que haverá uma representação na justiça, no fórum da comarca de Caçapava do Sul com data a ser marcada. A direção da escola, junto da professora agredida, a Secretária de Educação, Leslie Maicá de Melo e o Prefeito Giovani Amestoy foram até a Promotoria de Justiça levar o caso para o promotor, Diogo Taborda. A Prefeitura Municipal e a Secretaria de Educação emitiram uma nota se solidarizando com a professora vítima de agressão, e que prestarão todo suporte necessário à educadora e ao aluno.

O Promotor de Justiça Diogo Taborda afirma que a mãe a avó responderão criminalmente por desacato e contravenção de vias de fato. E que a família será encaminhada para receber auxílios de atendimento psicológico junto a CAPS.

 

Por Marcelo Silva

Deixe seu comentario

Comentários desativados.